domingo, 28 de janeiro de 2007


Bons dias...

É, é o que desejo para esse começo de semana.Bons dias.Meus dias têm passado em brancas nuvens,sem algo pertinente e interessante acontecendo.Talvez até um pouco decepcionante.Eu sou o tipo de gente que detesta mesmice.EU TE DETESTO, cara-pálida[eu,falando para a mesmice...!!!!!!]Detesto qualquer tipo de acomodação.Odeio tudo isso,sabe?Inconformismo sempre foi um alicerce pra mim.Talvez a base mais sólida da minha formação moral.Acredito que não temos que passar por essa vida em completa concordância.Se tudo isso acontece dessa forma, acredito no fim da humanidade.O inconformismo gera filhos; a passividade, 'o deixa pra lá' , atrofia.E viver atrofiado não deve ser nada bom.Falo dessa falta de pensar que deixa todo mundo letárgico, num sono profundo.O trem passa e ninguém vê...Ainda bem que nasci em Minas...e mineiro não perde o trem mesmo!![risos]
.
[um minuto.pausa para trocar o cd...acordei com vontade de ouvir Scorpions]
.
Sim...onde eu estava mesmo?Ah, tá.Ok.
Como dizia, os dias passam tão rápido que quando vejo já é fim de ano!E aí é hora de olhar para trás e perceber que tudo se foi e muitas vezes não fiz nada.Veja hoje: estamos findando janeiro.E olho e percebo que nada de tão interessante fora produzido.Isso me dá nos nervos!Tenho falhado muito no campo das idéias.Será que estou me atrofiando?Espero que não.Muitas vezes me vejo fazendo as tarefas diárias de uma forma tão repetitiva que me enoja.Outro dia troquei a cama de lugar.Entrar no mesmo quarto todo dia e ver tudo igualzinho me incomoda.Ainda vejo tudo igualzinho,mas agora a cama está em outra posição.Talvez falte um livro novo na estante...
.
E falando em livros, desde muito tempo não páro para ler algo diferente da literatura causídica.Direito,direito e direito! Leis, artigos,incisos,parágrafos...Como pode isso?Há um tempo eu curtia muito literatura,por puro prazer de ler,sem essa coisa de obrigação.E era prazeroso demais.Na época dos meus 16 anos, eu li "Casa de Pensão", de Aluizio Azevedo, e risquei o livro todo,tamanho número de palavras desconhecidas para mim!E nunca esqueço de uma palavrinha que me chamou atenção: engalfinhar!Eu achei,na época, a palavra mais interessante do livro!Vê se pode...E nunca esqueci dela.Era tempo de descobertas,meu caro...
.
[estou aqui cantando com Klaus Meine a canção 'I Wanted To Cry' !A primeira canção que eu quis cantar com ele..eu no violão!coisas da minha cabeça...e até hj não me conformo que apenas decorei aquele trecho: "Every night without you/I miss to have you by my side/Ohh, so i keep waiting, i keep waiting/I swear i never let you go again..."]
.
Pois bem,eu acredito que a leitura nos faz ter bons dias.Ler te remete à outro universo,algo paralelo,entende?Eu sempre tive essa facilidade,de imaginar coisas, de pensar além das chinelas [para quem não sabe, uma metáfora que acabei de inventar!como se eu dissesse:'pensar além dos pés no chão,sair de si,da base...do concreto.']E assim, quanto mais conhecimento, mais pensar; mais pensar, mais inconformismo, porque tudo está errado!Quer exemplos? A maneira como o dinheiro público está distribuido, a forma como se tratam os idosos no Brasil, a idiotice do BBB - que pára o país-, os infindáveis impostos[e a percentagem do IR ? odeio!], a burocracia que trava tudo,a lentidão no judiciário em função de demandas infernais e poucos juízes, essa infinidade de música sem sentido que tem por aí...Tanta coisa atravanca o andar da carruagem...
.
É isso.Um pouco de inconformismo não faz mal a senhor ninguém.Inconformismo com ação.Aí sim,acredito mais ainda!
.
[agora, sem pausa, mais um pouco de Scorpions.]
.
Té mais...

Angel.

p.s.: ah, sei cantar todinha aquela do Freddie Mercury...'love of my life'...[risos] Mas acho que essa não vale...

Um comentário:

luiz floyd the wall disse...

Tear down the wall!
Tear down the wall!

Faça alguma coisa inesperada agora!

Melhor se arrepender de alguma coisa que fez do que de alguma coisa que deixou de fazer...

Beijos.

ps: adorei essa do "pensar além das chinelas" rsrs
pps: de volta aos ótimos textos, né? continue assim!