sábado, 4 de maio de 2013

Só pra falar de amor

Olá!

Quem está lendo meu blog? Hum, acho que já se empoeirou... Haha!

Bom, independentemente de quem esteja lendo - ou não! -, hoje é sábado e estou aqui para escrever um pouco e matar a vontade da escrita, como costumo falar. Tenho estado assim nos últimos tempos: tenho uns insights e resolvo escrever feito louca. Acho que é o meu inconsciente... rrsrs Para quem não sabe, minha primeira grande vontade profissional era o de ser jornalista. Acho que é por isso que gosto tanto de escrever, postar no Instagram, no Facebook... Enfim, essa sou eu e acho que não adianta que não vou mudar muito nesse aspecto.

Bem, se ninguém for ler, pelo menos vou deixar aqui registrado para minha futura - espero! - geração. Imagina meu filho - acho que se teu tiver será somente um - lendo o diário virtual da mãe dele, com todas as suas bobagens e sonhos? Que lindo!! Eu iria adorar se minha mãe tivesse tido um assim, mesmo o mais simples dos simples! Haha!

Vamos ao que interessa? Bem, como já havia falado por aqui em outras postagens, finalmente eu e o Evandro resolvemos nos casar. Uepa, até que enfim!! Haha! Mas falando sério, sério mesmo, foi muito engraçado (ops, sério? engraçado? Como assim????). Isso mesmo, no dia marcado, 18 de abril de 2013, nos arrumamos, pegamos o carro e fomos direto para o Cartório, que fica bem próximo ao meu trabalho. Descemos do carro, nos demos as mãos e fomos. De cara nos deparamos com a Rayane - mirim que prestou serviços onde eu trabalho e que ficou minha amiguinha linda - que já estava me ligando para saber por que os noivos ainda não haviam chegado... rs Quando nos viu, nos abraçou e ficamos ali, aguardando as testemunhas e o juiz de paz que iria fazer o casamento. O Francisco e a Altaisa, meus coleguinhas master fofos lá do trabalho, foram nossas testemunhas. Eles chegaram e então ficamos ainda aguardando o juiz de paz nos chamar. Enquanto isso, perguntei à moça do Cartório sobre o tal fotógrafo que comparece toda vez que tem casamento no local. Ela disse que ele estava atrasado e que chegaria sim. Fiquei super preocupada, e como ele demorou, resolvemos contratar ali mesmo um profissional que havia chegado para fotografar um outro casamento que aconteceria depois do nosso. Na hora ele topou. Beleza!

Enquanto o juiz de paz não chegava, fomos para o local reservado para o casamento e começamos os cliques! Haha! Foram muitos, vários! A louca aqui não contratou nenhum fotógrafo porque confiou no que estaria no Cartório. Na verdade, como amo fotografia, cheguei a pensar em contratar um super-master-top fotógrafo, mas como seria só para uma cerimônia no civil, que duraria apenas uns 10 minutos, achei que seria muito exagero. O legal que esse outro fotógrafo chegou e eu percebi que ele tinha feeling pra coisa, já que era um profissional que tinha studio e tudo. Ainda não busquei as fotos - aliás, devo fazê-lo hoje -, mas assim que estiver com elas em mãos posto aqui para vocês (alôoo, tem alguém aí? rs).

Como falei, a contratação do fotógrafo foi na hora, inclusive nem discutimos preço e tal. Loucaaaa! Haha! Mas estava tão empolgada que nem pensei nisso. Enfim, tirávamos fotos com as nossas testemunhas e com a Rayane quando o juiz de paz chegou. Um senhor muito simpático que se embolou quando foi falar o sobrenome do meu marido (ainda não me acostumei... é engraçado! rs). Ah, nem contei que desde que entrei na sala reservada não parava de rir... Nervosismo, sei lá...rs Tenho até medo dessas fotos...rs

Enquanto o juiz de paz realizava nosso casamento chegaram dois colegas de trabalho do Evandro, o Daniel e o André. Evandro ficou bem feliz. Finalmente, após uns minutos, trocamos as alianças, demos um beijinho pra foto (haha!) e pronto, acabou. Simples assim.

Saimos casados, recebemos os cumprimentos dos presentes, tiramos mais umas fotinhas (a louca da foto! Haha!) e nossas testemunhas foram embora (estavam no meio do expediente, tadinhos. Agradecemos muito pela disponibilidade deles em irem lá nos fazer esse master favor). Ficamos ainda um tempo conversando no local. Depois nos despedimos de todos e fomos embora para casa. Chegando em NOSSA casa (uhuu! rs) e fomos terminar de arrumar a mala para viajarmos.

E isso é um novo assunto para um novo dia.

É isso. E para quem não nos conhece, não sabe muito da nossa história e talvez tenha achado estranho um casamento tão simples, com tão poucas pessoas, sem parentes e aderentes, quero dizer que não foi algo de última hora (já havíamos pensado nisso há muito tempo, mas por falta de agenda do Evandro - ele trabalha aqui onde moramos e estuda em SP - e em razão do meu trabalho, só agora conseguimos uma data bacana para a oficialização de nossa união) e não estou grávida! Haha! Evandro e eu  moramos em uma cidade diferente da dos nossos pais, por isso não deu para eles virem. E não foi só por isso. Como seria só no Civil, sem festinha e oba-oba, inclusive viajaríamos no mesmo dia, achamos melhor que eles não viessem, né? Acho que seria muito desgastante chamá-los para uma cerimônia civil de apenas 10 minutos e com correria, já que teríamos que nos despedir deles ali mesmo e sair correndo para terminar de arrumar as malas para a viagem. Achamos bobagem.

Algumas pessoas tomaram um susto e fizeram algumas perguntas quando me viram como "Senhora Abramov" (sim, adotei o nome dele. Detalhe: ainda não mexi uma linha para mudar os documentos... Nem pareço mineira...rsrsrs), mas, como dito acima, não vimos motivo para grandes alardes.Se tivéssemos feito festa, com certeza os parentes e amigos seriam comunicados e convidados. Pra ser sincera, casar na igreja e fazer festa nunca foi algo que permeava meus sonhos mais profundos. Detalhe pequeno que não me deixou triste por não ter acontecido. Juro, do fundo do coração. Para quem gosta, tem esse sonho, dou o maior apoio, sabe? Mas, para nós, o importante é o casamento em si, o "papel passado", como dizem os antigos, ok? Diante dos homens e de Deus estamos casados, somos um casal que declarou para todos que agora começa uma nova vida, uma nova família e, acima de tudo, que nos amamos e nos respeitamos muito. Uns falam que diante de Deus a união se concretiza somente na igreja. Não sei dizer, mas no meu íntimo eu sinto as bênçãos de Deus, e isso é o que importa.

E outra: Evandro e eu temos planos, entre eles o término da faculdade dele que é super puxada. Ele corta um dobrado para dar conta do trabalho, pegar avião a cada 8 dias para ir para SP estudar em uma faculdade pública federal, se dedicar para ser um grande profissional na área de Engenharia. Resumo da ópera: o mundo é feito de escolhas, e acho que temos feitos boas escolhas que no futuro nos trarão grandes alegrias.

É isso. Como disse aí em cima, esse relato é um pouco do que quero deixar pro futuro, pro nosso filho - que espero que venha um dia! -, pros sobrinhos, enfim, para as gerações da família. Isso é um pouco do que quero deixar registrado sobre o dia em que o Evandro e eu tomamos uma grande decisão em nossas vidas. E não peço outra coisa senão a bênção de Deus para a nossa união.

Ah, quero agradecer a todos que se manifestaram e deixaram seu recadinho no Facebook. Foi muito amor, né? Obrigada, obrigada!!! Muito bom ter bons amigos, família estruturada e paz no coração.

"Porque o resto são bobagens, meninos, bobagens", como diria Carolina Ferraz neste vídeo aqui.

Por fim, um texto de Mallu Magalhães que parece ter sido escrito por mim:

 "Sou casada no cartório, quero ficar velhinha ao lado dele. 
Adoro ser casada, mas não tinha o sonho de entrar na igreja.
 Às vezes eu vejo nas revistas, na TV, e penso
 'Será que eu deveria fazer um jantar para comemorar?'. 
Porque, no final, é isso: o casamento é a celebração de uma união.
 Mas depois eu penso que nosso casamento
 é feito de pequenas celebrações todos os dias." 
[Mallu Magalhães]

Beijoooooo!!!

Ange.

p.s.: pra terminar, quero deixar uma canção de Chico para todos nós. Sim, foi Chico o primeiro responsável por todo esse nosso começo:




Atualização: como prometido, seguem abaixo algumas fotos do nosso casamento no civil:










2 comentários:

CUCA BOA disse...

nossa! faz tanto tempo...

voltarei breve!
(fique bem)

Pri disse...

Oi Ange,boa noite!

Só pra você saber estou sempre passando por aqui,meio que na correria.Não tem teias de aranha,srrssrrsr.
Eu volto depois...beijos Pri