sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

"Se você realmente quer desfrutar a vida em toda a sua riqueza, tem que aprender a ser incoerente, a ser coerentemente incoerente. Ser capaz de ir de um extremo ao outro - às vezes profundamente enraizado na terra e às vezes voando alto no céu. Às vezes fazendo amor e às vezes meditando. E então, aos poucos, o seu céu e a sua terra ficarão cada vez mais próximos e você se tornará o horizonte em que eles se encontram.

"Osho - Faça o Seu Coração Vibrar, Ed. Sextante

Gosto muito desse texto.Algumas pessoas podem interpretá-lo como uma grande frase de livrinhos de auto-ajuda,mas para mim é uma mensagem inspiradora, cheia de entrelinhas, de situações que poderiamos viver se levássemos a vida realmente à sério.Digo isso porque vivemos normalmente uma rotina chata, fazemos sempre as mesmas coisas em função desse capitalismo selvagem.E acabamos tendo uma vida medícore. "Hum,não sei...". Você pode até discordar disso,mas eu acho isso sim. Imagine, você acorda todos os dias pela manhã, vai trabalhar, volta pra casa cansado, lê uns e-mails, dá um beijo no filho,bota ele pra dormir e em seguida vai dormir também,após um dia estressante.Pensou bem agora?Quantos milhões não fazem isso todo santo dia?

Eu faço quase isso.É, porque ainda não tenho filho pra dar beijinho na testa e colocar pra dormir![risos]

Mas observe ao redor.Estamos cercados disso!Cada um na sua rotina,infelizmente.E ái se sair dela!Outro dia vi uma reportagem sobre o assassinato de um rapaz que ao ver sua esposa tendo o carro roubado, saiu de moto à caça dos bandidos porque imaginou que a filha[um bebê de poucos meses] estivesse no banco de trás do carro.Entrou em desespero.Não lembrara que naquele dia a filha havia dormido na casa dos avós.Logo à frente levou um tiro de um policial porque foi confundido com um bandido.A maldita rotina!E assim vamos vivendo,sendo metralhados de várias formas pela tal rotina.Temos medo de sair dos trilhos, do nosso mundinho fechado.

Claro que o dia-a-dia conturbado não faz bem a ninguém,mas devemos perceber que podemos mudar nossa manhã passando por um caminho diferente, levando um vaso de flores para o escritório, almoçar com uma amiga,ouvi-la!Podemos surpreender alguém com um telefonema insesperado.Coisa mais chata é data especial. Pôxa, aniversário é tão previsível! Já imaginamos que alguém poderá nos ligar, nos dar um presente, nos abraçar,enfim. Mas não podemos prever que seremos surpreendidos com um telefonema de uma pessoa querida que mora longe que tomou tal decisão numa data qualquer! Isso é sair da rotina!Sem motivo aparente surpreendemos, somos surpreendidos.

Como diria o grande Djavan, "se eu tivesse mais alma pra dar, eu daria; isso pra mim é viver..."

Acredito nisso aí: doação. Viver é doar a cada dia um pouco de nossa alma.Acrescentar algo e dividir algo.E quando menos esperármos, estamos vivendo o céu...

Mas quero dizer que não sou nenhuma menininha fantasiando nada.Somos mortais,muitas vezes sacanas,intolerantes e mesquinhos,mas temos também nosso lado bom.Pelo menos eu tenho.Então, saibamos usá-lo,nem que seja de vez em quando...

angel.

P.s.: foto tirada por mim do encarte do cd "Equilibrio Distante",de Renato Russo.Adoro anjos.

2 comentários:

Evan disse...

É bom quebrar rotinas, ousar, tentar...

Mas ao meu ver, nem todas as rotinas não ruins, desde que ela te traga prazer, felicidade.

Por exemplo, o meu chefe. Ele trabalha todos os dias. Às 6:30, ele já está lá.... para sair, no mínimo às 18:00...

Pensava eu, "nossa, esse cara deve estar de saco cheio de tanto trabalhar, nessa rotina estressante"... foi aí eu um dia, almoçando com ele, ele me disse: "eu adoro o que eu faço, os meus maiores prazeres são sair daqui com a sensação de eu ter dado o melhor de mim, ver a minha família e colocar a colocar a cabela no travesseiro".

Essa é uma típica pessoa que não quer sair da rotina.

Luiz disse...

Nossa, sem querer puxar o saco, mas esse é o melhor texto seu até agora!

Lembrou bastante aquele fime "Crash"

e me deixou aqui pensando: será que também somos responsáveis não só pela nossa rotina, mas também pela rotina dos que nos cercam? será que temos o poder de mudar alguma coisa (muita coisa?) na forma de viver dos outros?