sábado, 31 de agosto de 2013

Obrigada, Deus!

Olá, você, tudo bem aí?

Bom, no fim de semana que passou - e que passei na casa dos meus pais - senti uma p*** vontade de escrever, mas, como sempre,  não levei o notebook. Sim, chega de pesos (Hola, Jorge Luis Borges!).

Hoje saio de casa apenas com o celular que, diga-se de passagem, faz muito o bem o seu papel. Bendita Geração Y! Hehe!! Sim, se não fossa ela, talvez esse mundo, por mais fútil e individualista que seja/pareça, não estaria tão avançado tecnologicamente.

Não sei se estou falando bobagens, mas posso dizer que os novos tempos nos tem trazido coisas muito boas e inovadoras, conquanto tenhamos que pagar um preço alto por tudo isso, né? Mas, é assunto para um outro - talvez - post!

Voltando... Por não ter levado o computador para o fim de semana na casa dos pais, fiquei só na vontade de escrever. Com celular não rola. Acho o teclado muito cansativo para esse tipo de texto longo que um blog nos exige ;)

Mas, voltando (!!!), estou aqui para dizer - entre otras cositas más - que há pouco tempo fiquei muito feliz em saber que um grande amigo gosta de ler meus textos. Aliás, me teceu grandes elogios que me fizeram corar do lado de cá (conversávamos via internet). Pois é, de certa forma, acabou alimentando meu egotrip e motivando minha mente. Óh, yeah! Haha!  #obrigada,amigo!

Sabe, vou confessar algo: eu sonhava em ser jornalista. Algumas pessoas próximas já estão cansadas de ouvir isso, claro. Mas eu preciso sempre dizer porque é necessário manter acesa essa chama da escrita. Não sei se é porque eu não fiz o curso, mas eu sempre digo que se eu fosse jornalista, seria das boas, daquelas que estariam em São Paulo trabalhando para um grande jornal, sabe? Mas, enfim, enveredei por outros caminhos. Talvez não tenha sido a melhor escolha, mas foi a escolha que eu tive e agarrei. O Direito é magnífico também. Com ele eu aprendi a ver o outro e sentir um pouco o outro. Acho que as ciências jurídicas trazem essa sensação. Pelo menos para mim. E  pode também ser angustiante, dilacerante... mas necessário. Vivemos em mundo de conflitos, e isso me faz ver o quanto minha vida é linear, por mais que existam os percalços. Os problemas dos outros transformam os meus em probleminhas, bem miudinhos. Sim, eu vejo isso a cada dia, a cada momento, em cada processo que olho e examino.

Sem falar disso mas falando também (hã?), quero dizer que no fim de semana eu senti vontade de escrever sobre mim, sobre as coisas que me têm acontecido e como isso tem transformado minha vida. Sou extremamente ansiosa e isso me tira um pouco do centro e, de certa forma, do foco. Às vezes um simples problema vira um trem grande demais. E como sofro! Ah, sofria. Sim, eu tenho buscado não me prender a coisinhas bobas e contornáveis. E se não fossem? Pois é, isso que tenho me perguntado. E se fosse algo difícil de resolver, como seria? Como eu reagiria? Como sobreviveria?

Isso tudo me fez lembrar uma canção de Adoniran Barbosa e interpretada por Elis Regina, onde se ouve a seguinte frase: "Deus dá o frio conforme o 'cobertô'" ("Saudosa Maloca" - escute aqui)

(pausa)

Pois é, cada vez eu penso mais e mais sobre isso. Tudo que nos chega, nos chega porque Deus sabe a proporção que aguentamos cada coisa. E assim tenho pensado. Mas antes que você, leitor, se descabele do outro lado de tanta curiosidade (hihihihi!), quero dizer que estou bem, não é nada de outro mundo. Aliás, acredito que você ainda vai rir no final, quando eu disser do que se trata! rs

Bom, eu fiz recentemente um exame (pra ver se havia pedras nos meus rins, embora eu não estivesse sentido nada, enfim) quando o médico me falou assim: "Olha, seus rins estão ótimos, mas estou vendo aqui que você está com uma pedra na vesícula" (veja sobre o tema aqui, aqui e aqui).  Putz! Na hora eu fiquei paralisada, porque nunca imaginaria isso, já que não percebo qualquer sintoma da doença. Depois, pesquisando sobre o assunto, constatei que nem sempre sentimos os sintomas. Mas, enfim, saí do médico com a certeza de que iria me consultar com um cirurgião do aparelho digestivo. Marquei consulta com dois, a fim de decidir com qual deles realizarei a cirurgia. Sim, terei que operar. No princípio eu pensei em não retirar, já que havia lido na internet que o cálculo poderia ser extraído sem que haja a retirada da vesícula. Todavia, em consulta com um dos especialistas, fui informada acerca da necessidade de retirá-la. Em setembro me consultarei com um outro que, aliás, tenho excelentes referências. Agora é fazer exames e aguardar o bendito dia.

Sempre fico com receio de cirurgia, mas sei que esta é necessária, visto que postergar pode ser perigoso, já que uma vesícula inflamada pode trazer complicações. Ele, o especialista, ainda me informou que a cirurgia é mega simples, feita em 30min (!!). Pois é, apenas 30min, com permanência de apenas 24h no hospital, já que a anestesia é geral. Ele disse ainda que em 05 dias o paciente é liberado para realizar todas as atividades rotineiras. Isso me trouxe um grande alívio. Agora... falei que adoro pizza e sorvete, e ele me fez um alerta: evitar esses alimentos gordurosos até à cirurgia. Nossa, como será difícil! Graças a Deus eu não como carne (alô, galera que adora feijoada e torresmo!!! Haha!), mas curto algumas coisas que, inevitavelmente, possuem alto teor de gordura. Claro, estou agora optando por alimentos mais alternativos, mais light, como queijo branco, por exemplo. Hoje não resisti e comi pão de queijo (óh, my God!). Mas fico aliviada porque no meu dia a dia os alimentos por mim consumidos são bem leves. Ufa!

É isso. Logo, logo pretendo marcar a data da cirurgia, que será por videolaparoscopia (conheça aqui), onde o cirurgião faz uma espécie de furinhos na barriga - quatro, sendo um no umbigo (úi!). Dizem que as marcas são pouco perceptíveis. Ufa²!

Algumas pessoas podem não entender o porquê de tornar isso um assunto público, mas a internet é um vasto mundo, onde as pessoas tiram dúvidas com outras que já passaram pelo mesmo problema e, sem imaginar, acabam trazendo conforto para os que estão no mesmo barco. Há um tempo recebi um e-mail de uma mocinha que estava desesperada porque havia descoberto ser portadora de gastrite atrófica, doença autoimune que eu também tenho. Ela havia lido aqui no meu blog  (veja a postagem aqui) e me enviou uma mensagem a fim de buscar esse conforto que eu falei aí em cima. Fiquei feliz por ajudá-la e acalmá-la naquele momento. Aliás, estou devendo uma outra resposta, porque ela novamente me escreveu e até hoje eu não a respondi. Sorry!

Então é isso. Tenho lido muito sobre o tema e assim que tudo passar eu conto para vocês. Aliás, conto também com as vibrações positivas de todos que me leem para que tudo dê certo, ok?

Voltando ao início da postagem, quero finalizar dizendo que a vida é isso tudo aí. Por essas e outras que agradeço a Deus por cada momento vivido, por cada situação que me chega. Só sabemos o valor das coisas quando nos deparamos com situações que nos fragilizam. Parece bobagem, já que conheço váááárias pessoas que já realizaram cirurgia de vesícula, mas cada um sabe de si, de suas dores, de sua vida. E por mais irrelevante que seja um problema, se é que posso dizer isso, ele acontece conosco, então, cabe a nós resolvê-lo da melhor forma e dar a ele o melhor contorno. E esse meu problema, depois de uns dias de angústia, se transformou em algo ínfimo diante de tantos outros que vejo por aí. Só para ilustrar, outro dia fiquei sabendo de um garoto de apenas 19 anos que descobriu há um mês um câncer no fígado. E pelo que fiquei sabendo, já es espalhou pelo corpo e ele agora depende de um milagre para continuar vivo...

Então, vamos ser felizes com o que temos. A cada um é dado aquilo que pode ser suportado. Lembre-se disso.

Força e fé!

Para finalizar esta postagem, vou deixar uma canção que tenho escutado muito e que me tem trazido grande alento nos momentos de tristeza (quem não os tem??). Ele é fiel para se importar comigo, contigo!




Beijo,

Ange.



2 comentários:

ZINA, . disse...

Ange, minha querida amiga, preciso te confessar uma coisa. Desde o dia do teu casamento,que minha consciência me condena.Soube pelo FB,e torci e torço por você,não quis deixar nada no FB por 2 motivos.O primeiro,adoro estar por lá, compartilhar e curtir coisas que gosto, mas sabemos que aquilo lá é público demais, e muitas pessoas são incapazes de entender uma amizade como a nossa, que nasceu aqui na blogosfera,mas que eu gostaria que continuasse por toda vida. Gosto de você de graça amiga.Segundo motivo, queria te parabenizar aqui no teu SENTIMENTALIDADES, que foi onde nos conhecemos, mas acontece que eu,ando tão preguiçosa e todo dia era pra vir aqui, desde o dia 18 de abril, e o tempo foi passando , um dia depois do outro, que chegou um dia que eu achei que nem cabia mais passar aqui pra te desejar felicidade na sua vida nova de casada. Me desculpa Ange!Tenho certeza que você sabe que só te desejo coisas muito boas, e é isso que ue quero. Que você seja imensamente feliz,que o Evandro seja pra você teu melhor amigo, teu companheiro da vida toda e teu porto mais seguro, e que vocês tenham lindos filhos,e que Deus na sua infinita misericórdia cuide muito da tua vida, e da tua família.


Obrigada por sua visita lá no ANIZ, e pelo recadinho que me deixou lá, pois só assim tomei vergonha na cara e vim aqui te dizer o que eu estava adiando há tempos. Beijo grande, amiga!

Ah, e cuida dessa pedrinha ai na vesícula viu!!!

Ange Rocha, disse...

Zina, suas palavras são tão encantadoras! Estou sem palavras para descrever o quanto fiquei feliz com seu comentário!

Muito obrigada pelo carinho, amizade e pela força!
Beijo grande,amiga!